Projeto Educação e Cuidados para crianças abrigadas

“Arte, Educação e Cuidados para crianças abrigadas” é um projeto da Aliança Pela Infância, com coordenação de Suzana Soares. Visa a formação continuada de profissionais de Abrigos da cidade de São Paulo, com oficinas ministradas por Patricia Gimael e Suzana Soares. Teve início em janeiro de 2012 com atuação em quatro Instituições de Acolhimento e se estenderá em outras quatro, no ano de 2013. 

A idéia é focar a criança de 0 a 6 anos, sem desconsiderar os outros habitantes do abrigo que podem ter até 17 anos e onze meses. Conta com a parceria técnica do Instituto Fazendo História, que realiza o Projeto Palavra de Bebê, com atuação de grande experiência e êxito nesta área.

O projeto se apóia na ferramenta das artes visuais para auxiliar no desenvolvimento e socialização das crianças e também para colaborar com o desenvolvimento pessoal e profissional dos educadores. Seu conteúdo está apoiado, principalmente, nos pensamentos de autores como Anna Marie Holm, Edith Derdyk, Viktor lowenfeld, Rhoda Kellogg, Emmi Pikler, Paulo Freire, John Bowlby, Rudolf Steiner, Gerda Alexander, F. Dolto, Erich Neumann, René Spitz.

O objetivo geral é contribuir para a capacitação de educadores de crianças em situação de acolhimento institucional, através de atividades plásticas e do estudo do desenvolvimento infantil.

 O “Arte, Educação e Cuidados para crianças abrigadas” proporciona formação continuada dos educadores e equipe técnica de 4 abrigos na cidade de SP. Também são realizadas vivencias práticas junto com crianças e educadores e encontros anuais com cinco representantes de cada abrigo, para aprofundamento e intercâmbio de experiências.

É contemplada, ainda, a formação de colaboradores voluntários do Instituto Fazendo História, que trabalham no projeto Palavra de Bebê, visitando periodicamente os abrigos em que atuamos. Eles nos apoiam na implantação e manutenção dos conceitos e práticas que passamos para os educadores.

O público alvo inclui os educadores de abrigos, que trabalham em regime de plantão 12 por 36 horas, sendo que a única formação exigida é o ensino médio o que resulta em profissionais pouco preparados. Composto em sua maioria por mulheres, os educadores acumulam seu trabalho com as tarefas domesticas, não restando muito tempo e condições financeiras para formação continuada e atividades culturais.  Atingiremos anualmente cerca de 15 colaboradores voluntários; 60 profissionais dos abrigos; 100 crianças.

A capacitação dos voluntários é realizada na sede do Instituto Fazendo História, a formação continuada dos educadores e oficinas com crianças são nos abrigos e a reunião de aprofundamento e intercâmbio de experiências,  na sede da Federação de Bandeirantes do Brasil.